16 janeiro 2016

Neuropsicologia - TDAH

Algumas características do TDAH ( Déficit de atenção com hiperatividade ).


Faz várias coisas ao mesmo tempo, está sempre a mil por hora, em busca de novidades, de estímulos fortes. Detesta o tédio. Consegue ler, assistir televisão e ouvir música ao mesmo tempo. Muitas vezes é visto como imaturo insaciável.

Baixo nível de tolerância: não sabe lidar com frustrações, com erros (nem os seus, nem dos outros). Muitas vezes sente raiva e se recolhe.

Impaciência: não suporta esperar ou aguardar por algo: filas, telefonemas, atendimento em lojas, restaurantes..., quer tudo para "ontem".

Instabilidade de humor: ora está ótimo, ora está péssimo, sem que precise de motivo sério para isso. Os fatores podem ser externos ou internos, uma vez que costuma estar em eterno conflito.

A comunicação costuma ser compulsiva, sem filtro para inibir respostas inadequadas, o que pode provocar situações constrangedoras e/ou ofensivas: fala ou faz e depois pensa.

Tem um temperamento explosivo: não suporta críticas, provocações e/ou rejeição. Rompe com certa facilidade relacionamentos de trabalho, sociais e/ou afetivos.

Hipersensibilidade: pode melindrar-se facilmente, tendo uma tendência ao desespero, como se seu mundo fosse desmoronar-se a qualquer instante, incapacitando-o muitas vezes de ver a realidade como ela realmente é, e buscar soluções.


Obs.: Temos que levar em conta as características de cada indivíduo, existem os graus da doença, se diagnosticado e tratado no início, a criança pode nem apresentar alguns sintomas acima citados.

Tratamento do TDAH é multidisciplinar.

O Transtorno do Déficit de Atenção (TDAH) é um distúrbio que ocorre em nível cerebral, afetando a capacidade de concentração do indivíduo nas atividades do dia a dia. Nos consultórios de Neuropsicologia, esse é um dos quadros investigados, sendo que, quando o diagnóstico é positivo, a abordagem é sempre multidisciplinar.

O TDAH pode ou não vir acompanhado de sintomas de hiperatividade, e nada tem a ver com o nível de inteligência. Ou seja, ser diagnosticado com TDAH, em princípio, não significa ter nenhum problema cognitivo ou limitação para o aprendizado.

Quanto à hiperatividade, embora ela nem sempre se manifeste no comportamento manifesto, hoje já se sabe - através de estudos científicos nas áreas de Neurologia e de Neuropsicologia - que ela está sempre presente em nível neurocomportamental nesses indivíduos.

Isto é, o cérebro da pessoa com o transtorno do deficit de atenção é, geralmente, um cérebro hiperativo – mesmo que a pessoa muitas vezes pareça desatenta e desconectada do ambiente à sua volta,  quadros de TDAH, geralmente, são detectados durante a infância. 
Os primeiros sinais costumam aparecer na fase escolar e, a partir do encaminhamento da criança para o atendimento clínico, a investigação e a confirmação do diagnóstico são feitas nos consultórios de Neuropsicologia e também nos de Neurologia Infantil.

Testes e avaliações de Neuropsicologia geralmente são utilizados para ratificar o diagnóstico e investigar se, associado ao transtorno, existem outros quadros clínicos, ajudando, assim, a descartar possibilidades de déficits cognitivos ou outras situações que possam passar despercebidas.

Junto à avaliação no âmbito da Neuropsicologia, a avaliação por um neurologista infantil também é fundamental. Este profissional é que irá também determinar se haverá necessidade ou não do uso de medicação, prescrevendo a terapêutica.

Geralmente, os melhores resultados são verificados nas abordagens multidisciplinares, envolvendo o neurologista, as abordagens da Neuropsicologia ou psicoterapeuta, juntamente com a participação de educadores/professores capacitados, formando uma rede de apoio que possa orientar e ajudar a família a lidar com a criança com TDAH.

Principais problemas investigados pela Neuropsicologia: 

• Problemas no aprendizado; 
• Dislexia; 
• Transtorno de déficits de atenção e hiperatividade (TDAH); 
• Distúrbios mentais; 
• Perda de habilidades motoras; 
• Transtorno cognitivo leve; 
• Demências e/ou diagnóstico diferencial para depressão; 
• Alteração cognitiva após AVC (Acidente Vascular Cerebral) e após TCE (Traumatismo Crânioencefálico).

Veja também: Artigo TDAH ( Transtorno do déficit de atenção )

Fonte: http://www.vitaclinica.com.br/neuropsicologia.php
Fonte:  http://www.dda-deficitdeatencao.com.br/tipos/hiperativo_impulsivo.html

0 comentários:

Postar um comentário